Correspondência Mário de Andrade & Luiz Camillo de Oliveira Netto

  • de Mário de Andrade e Luiz Camillo de Oliveira Netto
  • org. Maria Luiza Penna
Sinopse

Este volume da correspondência de Mário de Andrade traz as cartas do escritor trocadas com Luiz Camillo de Oliveira Netto no período que vai de 1932 a 1944, entre a Revolução de 1930 e o final da Segunda Guerra Mundial. Na correspondência, é possível observar a preocupação dos intelectuais com questões gerais da cultura brasileira e com temas mais específicos como a preservação do patrimônio cultural e o estímulo à pesquisa; de outra parte, também está presente a troca de experiências acerca da atitude diante da administração pública, baseada na experiência de ambos. A organizadora da edição destaca a importância das cartas: “Intelectuais de uma época de transição, suas vidas refletem, em muitos pontos, as dificuldades de nossa realidade em mudança – industrialização incipiente, Revolução de 1930, nascimento, vida e morte do Estado Novo, entre vários outros processos de transformação”.

ver sumário

Ficha técnica

R$ 60,00
ISBN 10: 8531414210
ISBN 13: 9788531414213
1ª edição, impressão de 2013

288 páginas
18 x 25 cm
Brochura
Coleção Correspondência de Mário de Andrade

Eventos

19 a
31/10
de 2020

Lombada

A Edusp participa da Lombada, a feira de livros da PUCPR, oferecendo uma seleção especial de títulos com 50% de desconto

Mais Eventos

Mais

Antropólogo cultural Néstor García Canclini assume cátedra na USP

Autor de Culturas Híbridas toma posse na Cátedra Olavo Setubal de Arte, Cultura e Ciência da USP

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador
Mais