Mário de Andrade e Sérgio Buarque de Holanda

Correspondência

  • de Mário de Andrade e Sérgio Buarque de Holanda
  • org. Pedro Meira Monteiro
Sinopse

Embora o volume da correspondência entre Mário de Andrade e Sérgio Buarque de Holanda seja relativamente pequeno, as cartas proporcionam um olhar panorâmico sobre os anos decisivos da eclosão e da consolidação do modernismo no Brasil. A correspondência reunida neste livro se estende entre os anos de 1922 e 1944, entre cidades diferentes: Sérgio escreveu do Rio de Janeiro, onde construiu sua carreira de jornalista, professor e historiador; Mário, de São Paulo, cidade-sede do movimento modernista e que inspirou seus melhores poemas. Alguns dos principais nomes da cultura nacional na primeira metade do século XX desfilam entre as confidências e os recados trocados entre Mário e Sérgio. Por meio de um agudo ensaio crítico, e com o auxílio de um amplo aparato de notas explicativas, Pedro Meira Monteiro elucida as entrelinhas das questões intelectuais que compõem o pano de fundo do diálogo epistolar deste dois gigantes da inteligência brasileira.

Ficha técnica

R$ 49,50
ISBN 10: 853141380x
ISBN 13: 9788531413803
1ª edição, impressão de 2012

432 páginas
14 x 21 cm
Brochura
Coedição: Companhia das Letras

Eventos

19 a
31/10
de 2020

Lombada

A Edusp participa da Lombada, a feira de livros da PUCPR, oferecendo uma seleção especial de títulos com 50% de desconto

Mais Eventos

Mais

Antropólogo cultural Néstor García Canclini assume cátedra na USP

Autor de Culturas Híbridas toma posse na Cátedra Olavo Setubal de Arte, Cultura e Ciência da USP

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador
Mais