Nicolas Poussin

Ideia da Paisagem

  • de Magnólia Costa
Sinopse

Neste livro, Magnólia Costa analisa o gênero da paisagem em Nicolas Poussin (1594-1665) ancorada nos preceitos retóricos dos séculos XVI e XVII, os quais pautavam os debates nos círculos eruditos da época. Poussin usou a paisagem de forma inovadora ao mesmo tempo em que se manteve fiel às regras estabelecidas, o que lhe garantiu papel importante no desenvolvimento desse gênero de quadros na Academia Real de Pintura e Escultura de Paris. Para a autora, o desejo de fazer o melhor leva Poussin a entender a própria cena de paisagem como um lugar elevado, que ele constrói decorosamente, recorrendo ao modelo teatral retorizado do século XVI. A análise é complementada pela reprodução de obras do artista e de pintores seus contemporâneos e pelas inúmeras notas agrupadas na parte final do volume, contendo trechos nas línguas originais, traduções e comentários.

ver sumário

Ficha técnica

R$ 82,00
ISBN 13: 9788531417528
1ª edição, impressão de 2020
272 páginas

18 x 23 cm
Brochura

Eventos

16/09
de 2020

Lançamento de “Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP”

Acontece na quarta-feira, 16/9/2020, o lançamento e o debate virtual de "Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP", organizado por Walnice Nogueira Galvão.

Mais Eventos

Mais

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador

É verdade que nevou em São Paulo em 1918?

No caderno de visitas da famosa garçonnière mantida pelo escritor Oswald de Andrade na Rua Líbero Badaró, apelidada de "covil da rua Líbero", há a referência de que nevou ...
Mais