O Feiticeiro

  • de Xavier Marques
Sinopse

A narrativa do romance O Feiticeiro transcorre em Salvador nos idos de 1878; nela, o autor detalha usos, costumes, tradições, festas populares, valores, a vida política e econômica da cidade, assim como o sincretismo religioso, com ênfase na forte influência exercida pela cultura mística trazida da África pelos escravos. Francisco Xavier Marques (1861-1942) foi jornalista, político, ensaísta e autor de contos e romances, tendo ocupado a cadeira 28 da Academia Brasileira de Letras. Sua prosa de ficção transfigura artisticamente a Bahia do sertão, das praias e da cidade de Salvador em linguagem requintada que, não raramente, se converte em prosa poética de acentuado lirismo, como observa o coordenador da coleção Reserva Literária, José de Paula Ramos Jr.

ver sumário

Ficha técnica

R$ 70,00
ISBN 10: 8531416329
ISBN 13: 9788531416323
3ª edição, impressão de 2017

496 páginas
14,5 x 21,7 cm
Capa dura
Coleção Reserva Literária
Coedição: Com-Arte

Eventos

16/09
de 2020

Lançamento de “Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP”

Acontece na quarta-feira, 16/9/2020, o lançamento e o debate virtual de "Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP", organizado por Walnice Nogueira Galvão.

Mais Eventos

Mais

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador

É verdade que nevou em São Paulo em 1918?

No caderno de visitas da famosa garçonnière mantida pelo escritor Oswald de Andrade na Rua Líbero Badaró, apelidada de "covil da rua Líbero", há a referência de que nevou ...
Mais