Contos Cariocas

  • de Artur Azevedo
Sinopse

Contos Cariocas, de Artur Azevedo, inaugura a coleção Reserva Literária, cuja proposta é a de resgatar obras esquecidas ou fora de circulação, mas de interesse artístico e cultural permanente. A coleção vem repor em circulação obras de autores mais ou menos célebres, de valor incontroverso, mas que se confinaram ou numa única, ou numa última edição antiga e rara. As vinte e três narrativas curtas que compõem os Contos Cariocas foram publicadas pelo autor em periódicos, sendo recolhidas postumamente em volume pela editora Leite Ribeiro uma única vez, em 1928. Nelas, o autor propõe uma divertida viagem imaginária ao fim do Império e início da República, por meio de narrativas ligeiras e bem-humoradas que são recortes ficcionais do cotidiano desse período. O texto foi estabelecido, modernizado e anotado pelos alunos do curso de Editoração da ECA-USP.

Ficha técnica

R$ 53,00
ISBN 10: 8531412609
ISBN 13: 9788531412608
2ª edição, impressão de 2011

240 páginas
14,8 x 21,9 cm
Capa Dura
Coleção Reserva Literária
Coedição: Com-Arte

Eventos

16/09
de 2020

Lançamento de “Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP”

Acontece na quarta-feira, 16/9/2020, o lançamento e o debate virtual de "Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP", organizado por Walnice Nogueira Galvão.

Mais Eventos

Mais

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador

É verdade que nevou em São Paulo em 1918?

No caderno de visitas da famosa garçonnière mantida pelo escritor Oswald de Andrade na Rua Líbero Badaró, apelidada de "covil da rua Líbero", há a referência de que nevou ...
Mais