Ernesto de Fiori

  • de Mayra Laudanna
Sinopse

Neste acurado estudo sobre Ernesto de Fiori, Mayra Laudanna apresenta um retrato bastante detalhado das artes da primeira metade do século XX. Para ela, a modernidade de Ernesto de Fiori não se reduz aos textos que escreve, pois com ela enfrenta modernidades de outros críticos e artistas em cartas, debates ou mesmo em atos. Atuante sobretudo na Alemanha dos anos de 1920, para onde convergem as modernidades, de Fiori é representado por Alfred Flechtheim, um dos principais marchands que se dedicam à divulgação da arte moderna na Europa. Em 1933, também enfrenta, como moderno, o cerco que começava a se estabelecer em torno das artes pelos nazistas. Em 1936 deixa Berlim, denunciando Hitler e o nazismo, e se instala em São Paulo, onde permanece como refugiado político até a sua morte, em 1945. No Brasil, mantém seu trabalho artístico e inicia discussões com alguns intelectuais brasileiros.

Ficha técnica

R$ 139,00
ISBN 10: 8531407249
ISBN 13: 9788531407246
1ª edição, impressão de 2003

364 páginas
23 x 26 cm
Brochura
Coleção Artistas Brasileiros
Coedição: Imprensa Oficial do Estado S/A (Inativo)

Eventos

16/09
de 2020

Lançamento de “Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP”

Acontece na quarta-feira, 16/9/2020, o lançamento e o debate virtual de "Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP", organizado por Walnice Nogueira Galvão.

Mais Eventos

Mais

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador

É verdade que nevou em São Paulo em 1918?

No caderno de visitas da famosa garçonnière mantida pelo escritor Oswald de Andrade na Rua Líbero Badaró, apelidada de "covil da rua Líbero", há a referência de que nevou ...
Mais