A Viagem Como Vocação

Itinerários, Parcerias e Formas de Conhecimento

  • de Fernanda Arêas Peixoto
Sinopse

O tema maior que aproxima os personagens considerados neste livro Leiris, Gilberto Freyre, Roger Bastide, Oliveira Lima e Pierre Verger são as viagens, realizadas entre as décadas de 1930 e 1960 pelo Brasil, pela América Hispânica e pela África. O intuito do livro é principalmente rever certos autores com ajuda das viagens que realizaram em contextos muito precisos, mais do que teorizar sobre as viagens. As viagens e as produções que elas geram, como as correspondências, diários etc., são valiosos para recuperação aos processos de confecção do conhecimento; Fernanda Peixoto observa que o ateliê do criador entrevisto nessas análises apresenta-se como espaço de experimentações mescladas, que tendem a se separar quando da apresentação pública das obras. E conclui: a viagem é forma de acesso à produção das ideias e do conhecimento, ela própria aparece como uma forma de estar (e ser) no mundo, definindo um espaço próprio, provisório como são os percursos e as ideias.

ver sumário

Ficha técnica

R$ 45,00
ISBN 10: 8531415497
ISBN 13: 9788531415494
1ª edição, impressão de 2015

288 páginas
14 x 21 cm
Brochura

Eventos

24/02
de 2024

Lançamento de livros sobre o Museu Republicano “Convenção de Itu”

Descubra a história por trás da fundação do Museu Republicano de Itu e o seu percurso ao longo de 100 anos com o lançamento de dois livros da Edusp

Mais Eventos

Mais

Amizade entre Mário e Oswald de Andrade é explorada em novo volume da Coleção Correspondência

Correspondência Mário de Andrade & Oswald de Andrade mostra a importância da escrita epistolar não só para o modernismo como também para a preservação de nossa história

Do jornalismo ao ativismo político, antologia revela as múltiplas faces da obra de Patrícia Galvão, a Pagu

“Palavras em Rebeldia” mostra a importância de Pagu, que passou de escritora pouco conhecida a homenageada da FLIP, na história do modernismo e nos dias de hoje

Livro aponta a influência das óperas europeias na construção do romance brasileiro e na sociedade pós-colonial

“Ópera Flutuante: Teatro Lírico, Literatura e Sociedade no Rio de Janeiro do Segundo Reinado” retrata a presença do drama musicado na capital do Brasil no século XIX

Antropólogo usa história da arte para compreender origens e poderes de artefatos indígenas

Em “Ardis da Arte: Imagem, Agência e Ritual na Amazônia”, Carlos Fausto traça comparativo etnográfico entre regimes imagéticos e culturas de povos originários das ...
Mais