Nas Trilhas da Crítica

  • de Marcel Proust
  • trad. Plínio Augusto Coêlho
Sinopse

Tomando por objeto as obras de escritores como Flaubert e Baudelaire e de artistas que lhes eram contemporâneos, caso de Paul Morand e Jacques-Emile Blanche, Proust examina aqui os elementos estruturantes comuns a diversos sistemas artísticos. Além dos autores mencionados, os quatro ensaios aqui reunidos abordam também Balzac, Stendhal, Hugo e pintores como Manet, Delacroix ou Corot, deixando entrever algumas das referências artísticas da obra monumental do autor de Em Busca do Tempo Perdido. Como ressalta o crítico Aguinaldo José Gonçalves no prefácio a este volume, “Proust foi, antes de tudo, um grande e versátil leitor, inclusive de outros sistemas artísticos, como da arquitetura, sobretudo a medieval, da pintura e da música, fazendo com que convergissem para o meio expressivo de que se valeu, a literatura”.

ver sumário

Ficha técnica

R$ 22,00
ISBN 10: 8531401712
ISBN 13: 9788531401718
1ª edição, impressão de 1994

144 páginas
12 x 20 cm
Brochura
Coleção Críticas Poéticas
Coedição: Imaginário

Eventos

16/09
de 2020

Lançamento de “Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP”

Acontece na quarta-feira, 16/9/2020, o lançamento e o debate virtual de "Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP", organizado por Walnice Nogueira Galvão.

Mais Eventos

Mais

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador

É verdade que nevou em São Paulo em 1918?

No caderno de visitas da famosa garçonnière mantida pelo escritor Oswald de Andrade na Rua Líbero Badaró, apelidada de "covil da rua Líbero", há a referência de que nevou ...
Mais