Cursos de Estética IV

  • de G. W. F. Hegel
  • trad. Oliver Tolle e Marco Aurélio Werle
Sinopse

O tema deste quarto e último volume dos Cursos de Estética de Hegel é a poesia. Presente em todos os povos e tida como arte universal, supera as demais artes pela forma, que se define pela representação sensível e interior da linguagem, e pelo conteúdo, o espiritual em toda a sua amplitude de acontecimentos, sentimentos, paixões e ações. A poesia supera as demais artes por manifestar o conteúdo espiritual numa matéria sensível interior: a linguagem. Partindo dessa peculiaridade, Hegel percorre as principais estruturas da poesia, detendo-se em particular na análise dialética dos três gêneros principais: a épica, a lírica e o drama. As interpretações que Hegel fez da poesia estão presentes neste volume e em toda sua obra Cursos de Estética. A influência mais duradoura do pensamento de Hegel reside no terreno da estética das obras literárias, em especial para os teóricos preocupados com a relação entre a poesia e a vida social.

ver sumário

Ficha técnica

R$ 60,00
ISBN 10: 8531407605
ISBN 13: 9788531407604
1ª edição, impressão de 2014

296 páginas
18 x 25,5 cm
Brochura
Coleção Clássicos

Eventos

16/09
de 2020

Lançamento de “Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP”

Acontece na quarta-feira, 16/9/2020, o lançamento e o debate virtual de "Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP", organizado por Walnice Nogueira Galvão.

Mais Eventos

Mais

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador

É verdade que nevou em São Paulo em 1918?

No caderno de visitas da famosa garçonnière mantida pelo escritor Oswald de Andrade na Rua Líbero Badaró, apelidada de "covil da rua Líbero", há a referência de que nevou ...
Mais