Como Pensam os "Nativos"

Sobre o Capitão Cook, por Exemplo

  • de Marshall Sahlins
  • trad. Sandra Guardini T. Vasconcelos
Sinopse

Este livro constitui a resposta do autor de Ilhas de História às acusações feitas pelo antropólogo cingalês Gananath Obeyesekere de que estaria perpetuando o mito europeu da irracionalidade indígena, ao tratar da morte e deificação do explorador James Cook, no Havaí, em 1779. De início um artigo-resposta, acabou se tornando um longo ensaio no qual são discutidos problemas teóricos vitais para as ciências humanas. Ao longo da escrita do ensaio, certos temas afloraram, segundo o autor: "como, ao falarmos pelo Outro 'nativo', podemos privá-lo de sua própria voz; como, ao atribuir-lhe a nossa 'racionalidade prática', fazemos uma antropologia pidgin; como ao tecer sua história a partir de nossa moralidade, não ajudamos ninguém". Sahlins tem o cuidado de recompor para o leitor as questões históricas envolvidas, ao mesmo tempo em que vai introduzindo a sua argumentação relativa à polêmica.

ver sumário

Ficha técnica

R$ 52,00
ISBN 10: 8531405211
ISBN 13: 9788531405211
1ª edição, impressão de 2019

352 páginas
18 x 25,5 cm
Brochura
Coleção Clássicos

Eventos

28/09
02/10
de 2020

Feira Virtual da Abeu: Comunicação Corporativa

A Edusp participa do evento oferecendo uma seleção especial de títulos com 50% de desconto

Mais Eventos

Mais

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador

É verdade que nevou em São Paulo em 1918?

No caderno de visitas da famosa garçonnière mantida pelo escritor Oswald de Andrade na Rua Líbero Badaró, apelidada de "covil da rua Líbero", há a referência de que nevou ...
Mais