Cursos de Estética III

  • de G. W. F. Hegel
  • trad. Oliver Tolle e Marco Aurélio Werle
Sinopse

Partindo de exemplos da arte antiga e moderna, neste terceiro volume dos Cursos de Estética, Hegel se dedica ao desenvolvimento do Ideal nas diferentes artes. Inicialmente, examina a arquitetura, arte essencialmente simbólica, que retira o divino da mera exterioridade e lhe dá acolhimento. A seguir, trata da escultura, a arte clássica que empresta forma humana a Deus, no mármore e no bronze. Por fim, analisa as artes românticas da pintura e da música. Com a pintura, a subjetividade manifesta-se no elemento luminoso da cor. Na música, ocorre o privilégio do tempo, em que emerge a pura interioridade. Para Hegel, cada uma dessas artes tem um lugar próprio na história do espírito e cumpre uma etapa no processo do autoconhecimento humano, mediante seu modo de configuração relacionado a uma determinada matéria.

Ficha técnica

R$ 80,00
ISBN 10: 8531406781
ISBN 13: 9788531406782
1ª edição, impressão de 2014

352 páginas
18 x 25,5 cm
Brochura
Coleção Clássicos

Eventos

16/09
de 2020

Lançamento de “Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP”

Acontece na quarta-feira, 16/9/2020, o lançamento e o debate virtual de "Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP", organizado por Walnice Nogueira Galvão.

Mais Eventos

Mais

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador

É verdade que nevou em São Paulo em 1918?

No caderno de visitas da famosa garçonnière mantida pelo escritor Oswald de Andrade na Rua Líbero Badaró, apelidada de "covil da rua Líbero", há a referência de que nevou ...
Mais