Tarsila Cronista

  • de Tarsila do Amaral
  • org. Aracy Amaral
Sinopse

Seleção de crônicas de Tarsila do Amaral, publicadas originalmente em jornais de São Paulo e Rio de Janeiro ao longo de vinte anos, a partir de 1936, revelando uma nova faceta da artista, que mantém na escrita o mesmo frescor de sua pintura modernista. Expressando-se numa prosa ao mesmo tempo elegante e desprovida de afetação, Tarsila recorda sua formação como pintora e os momentos mais marcantes das batalhas, inclusive internas, pela implantação do modernismo no Brasil, que envolveram artistas nacionais e estrangeiros, como Cendrars e Léger. Mas os textos demonstram também que seu interesse pelas criações artísticas e mudanças ocorridas no país e no mundo permaneceu vivo após os anos de 1920. Não faltam aqui comentários diversos sobre alguns de seus companheiros mais próximos como Mário de Andrade, além de uma galeria de nomes que inclui Anita Malfatti, Segall, Portinari, Brancusi, Le Corbusier e De Chirico.

Ficha técnica

R$ 44,00
ISBN 10: 8531406072
ISBN 13: 9788531406072
1ª edição, impressão de 2001

248 páginas
14 x 21 cm
Brochura

Eventos

16/09
de 2020

Lançamento de “Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP”

Acontece na quarta-feira, 16/9/2020, o lançamento e o debate virtual de "Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP", organizado por Walnice Nogueira Galvão.

Mais Eventos

Mais

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador

É verdade que nevou em São Paulo em 1918?

No caderno de visitas da famosa garçonnière mantida pelo escritor Oswald de Andrade na Rua Líbero Badaró, apelidada de "covil da rua Líbero", há a referência de que nevou ...
Mais