A Sociedade sem Relato

Antropologia e Estética da Iminência

  • de Néstor García Canclini
  • trad. Maria Paula Gurgel Ribeiro
Sinopse

Na ausência de relatos totalizadores, o que fazer com aquilo para o que não encontramos respostas? Como nos colocar à altura do que pode acontecer? Como pensar uma antropologia e uma estética da iminência em uma sociedade sem relato? Estas questões dão a dimensão da potência da busca analítica proposta por Néstor García Canclini. É no entrecruzamento das práticas e teorias sociais com o trabalho artístico e as teorias estéticas que o autor empreende uma nova cartografia da percepção e da sensibilidade, interrogando vigorosamente as condições de produção da arte na contemporaneidade, os meios de compreendê-la e as nossas práticas. Desprovida de um relato totalizador, a sociedade é então interpelada desde a iminência pelos artistas, desafiando os consensos apaziguadores da filosofia e da antropologia sobre os muitos modos como nos agrupamos e conduzimos além daqueles pelos quais as ciências procuram conhecer e abarcar o que no presente não cessa de nos escapar.

ver sumário

Ficha técnica

R$ 50,00
ISBN 10: 8531413698
ISBN 13: 9788531413698
1ª edição, impressão de 2016

264 páginas
13 x 21 cm
Brochura

Eventos

19 a
31/10
de 2020

Lombada

A Edusp participa da Lombada, a feira de livros da PUCPR, oferecendo uma seleção especial de títulos com 50% de desconto

Mais Eventos

Mais

Antropólogo cultural Néstor García Canclini assume cátedra na USP

Autor de Culturas Híbridas toma posse na Cátedra Olavo Setubal de Arte, Cultura e Ciência da USP

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador
Mais