Leituras de Macunaíma

Primeira Onda (1928-1936)

  • de José de Paula Ramos Jr.
Sinopse

A repercussão do livro Macunaíma, de Mário de Andrade, nos primeiros anos após sua publicação foi bastante modesta: o livro atingiu um pequeno universo de leitores, e sua fortuna crítica nos anos iniciais oscila entre os elogios e a condenação. Este livro analisa a recepção crítica da obra, tendo como limites temporais os anos 1928 e 1936, que correspondem ao período em que vigorou a primeira edição. Ivan Teixeira observa que o estudo tanto efetua quanto sugere a observação e a análise das consequências culturais de Macunaíma, entendido como obra cuja singularidade repercute decisivamente não só no discurso da crítica, mas também na arte, na política e na ideologia de seu ambiente cultural. O estudo revela as diversas categorias segundo as quais a obra foi lida no primeiro momento de sua existência como obra de arte e como intervenção cultural, procurando recompor o perfil das polêmicas do momento. O livro inclui ainda um anexo com o levantamento bibliográfico de Diléa Zanotto Manfio sobre a fortuna crítica de Mário de Andrade.

Ficha técnica

R$ 90,00
ISBN 10: 8531413419
ISBN 13: 9788531413414
1ª edição, impressão de 2012

424 páginas
18,5 x 26 cm
Capa dura

Eventos

19 a
31/10
de 2020

Lombada

A Edusp participa da Lombada, a feira de livros da PUCPR, oferecendo uma seleção especial de títulos com 50% de desconto

Mais Eventos

Mais

Antropólogo cultural Néstor García Canclini assume cátedra na USP

Autor de Culturas Híbridas toma posse na Cátedra Olavo Setubal de Arte, Cultura e Ciência da USP

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador
Mais