Leitura em Voz Alta e Produção da Subjetividade

Um Caminho para a Apropriação da Escrita

  • de Lucila Maria Pastorello
Sinopse

Lucila Pastorello discute o papel da leitura em voz alta no processo de apropriação da linguagem pela criança, mostrando que, em função de suas especificidades, essa modalidade de leitura interfere positivamente no processo. A autora observa que a leitura em voz alta coloca o corpo em cena, mobilizando práticas na relação corpo e linguagem que são específicas e que fazem eco nos processos de apropriação da escrita pela criança. Em sua pesquisa, procurou articular elementos teóricos nos campos da linguística, da psicanálise, da educação e da fonoaudiologia, ao lado das observações advindas da prática clínica. A leitura em voz alta é considerada prática mobilizadora da subjetividade - da dinâmica do desejo e da língua - e, portanto, atividade que interfere positivamente no processo de apropriação da escrita pela criança.

ver sumário

Ficha técnica

R$ 36,00
ISBN 10: 8531414415
ISBN 13: 9788531414411
1ª edição, impressão de 2015

152 páginas
14 x 21 cm
Brochura
Coleção Campi

Eventos

28/09
02/10
de 2020

Feira Virtual da Abeu: Comunicação Corporativa

A Edusp participa do evento oferecendo uma seleção especial de títulos com 50% de desconto

Mais Eventos

Mais

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador

É verdade que nevou em São Paulo em 1918?

No caderno de visitas da famosa garçonnière mantida pelo escritor Oswald de Andrade na Rua Líbero Badaró, apelidada de "covil da rua Líbero", há a referência de que nevou ...
Mais