Ivánov

  • de A. P. Tchékhov
  • trad. Eduardo Tolentino Araújo e Arlete Cavalieri
Sinopse

Responsável por uma verdadeira subversão na estrutura tradicional da narrativa de ficção do século XIX, Tchékhov também se consagrou como dramaturgo, inovando a arte teatral, o que se verifica em particular na forma de construção das personagens. Encenada pela primeira vez em 1887, Ivánov é ainda uma peça atual, ao tratar, de modo peculiar, do tédio que sufoca os últimos anos da Rússia czarista. Embora seja praticamente a estréia de Tchékhov como dramaturgo, já se apresentam aqui os seus ingredientes característicos, como o jogo psicológico oculto nos diálogos, o subtexto rico de significações e as pausas e os vazios inesperados, numa articulação peculiar daquilo que se convencionou chamar de “teatro de atmosfera tchekhoviano”.

ver sumário

Ficha técnica

R$ 16,00
ISBN 10: 8531404460
ISBN 13: 9788531404467
1ª edição, impressão de 2014

104 páginas
13 x 21 cm
Brochura
Coleção Em Cena

Eventos

16/09
de 2020

Lançamento de “Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP”

Acontece na quarta-feira, 16/9/2020, o lançamento e o debate virtual de "Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP", organizado por Walnice Nogueira Galvão.

Mais Eventos

Mais

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador

É verdade que nevou em São Paulo em 1918?

No caderno de visitas da famosa garçonnière mantida pelo escritor Oswald de Andrade na Rua Líbero Badaró, apelidada de "covil da rua Líbero", há a referência de que nevou ...
Mais