Romantismo Tropical

Um Pintor Francês no Brasil

Capa de Romantismo Tropical Obra Premiada
  • de Ana Lucia Araujo
Sinopse

O relato de viagem Deux années au Brésil, de François-Auguste Biard, é parte de uma longa tradição europeia de narrativas sobre o Brasil, que teve início no século XVI e permaneceu até os séculos XVIII e XIX, e que teve autores como Debret, Hercule Florence, Rugendas, entre muitos outros. Neste livro, a autora analisa o relato de Biard e as 180 ilustrações que o compõem, explorando a lógica interna das gravuras e sua relação com o texto, mostrando que contribuiu de maneira inovadora para a construção de um gênero que chama de “romantismo tropical”, uma visão francesa do Brasil e da América do Sul. O romantismo tropical se desenvolveu de maneira plena durante o século XIX, período em que o Brasil passou a acolher diversos artistas, cientistas e viajantes europeus, os quais construíram discursos visuais e escritos sobre o Brasil, em particular sobre suas populações negras, indígenas e mestiças.

ver sumário

Ficha técnica

R$ 52,00
ISBN 10: 8531416477
ISBN 13: 9788531416477
1ª edição, impressão de 2017

248 páginas
17 x 25,5 cm
Brochura

Prêmio
4º Prêmio Abeu
Associação Brasileira das Editoras Universitárias
Capa - 1º Lugar
Responsável: Carla Fernanda Fontana

Eventos

16/09
de 2020

Lançamento de “Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP”

Acontece na quarta-feira, 16/9/2020, o lançamento e o debate virtual de "Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP", organizado por Walnice Nogueira Galvão.

Mais Eventos

Mais

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador

É verdade que nevou em São Paulo em 1918?

No caderno de visitas da famosa garçonnière mantida pelo escritor Oswald de Andrade na Rua Líbero Badaró, apelidada de "covil da rua Líbero", há a referência de que nevou ...
Mais