Profissão Artista

Pintoras e Escultoras Acadêmicas Brasileiras

  • de Ana Paula Cavalcanti Simioni
Sinopse

Durante o século XIX, a arte parecia ser uma profissão exclusivamente masculina. As poucas mulheres que ingressaram nesse sistema dominado pela Academia eram julgadas de modo pejorativo, e a pecha de amadorismo inibiu por muito tempo estudos sobre suas produções. Centrado em cinco trajetórias paradigmáticas de pintoras e escultoras acadêmicas – Abigail de Andrade, Berthe Worms, Julieta de França, Nicolina Vaz de Assis Pinto do Couto, Georgina de Albuquerque – Profissão Artista revela a crescente inserção feminina no campo artístico brasileiro no período que vai da metade do século XIX até 1922. Ana Paula Simioni expõe questões referentes às representações dominantes sobre a condição das mulheres no tempo, às suas disposições adquiridas no curso da formação e que modelaram suas escolhas, ao caráter masculino da atividade artística, aos desafios que enfrentaram e o modo como puderam equacionar o conjunto de constrições de amplo espectro.

Ficha técnica

R$ 88,00
ISBN 10: 8531410754
ISBN 13: 9788531410758
1ª edição, impressão de 2019

360 páginas
19 x 26 cm
Brochura

Eventos

16/09
de 2020

Lançamento de “Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP”

Acontece na quarta-feira, 16/9/2020, o lançamento e o debate virtual de "Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP", organizado por Walnice Nogueira Galvão.

Mais Eventos

Mais

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador

É verdade que nevou em São Paulo em 1918?

No caderno de visitas da famosa garçonnière mantida pelo escritor Oswald de Andrade na Rua Líbero Badaró, apelidada de "covil da rua Líbero", há a referência de que nevou ...
Mais