A Política da Polícia

  • de Robert Reiner
  • trad. Jacy Cardia Ghirotti
Sinopse

A Política da Polícia, da série Polícia e Sociedade, é uma interessante discussão sobre o mito da neutralidade política dos agentes e das agências policiais. Confronta diferentes interpretações de historiadores e sociólogos, explorando as raízes da crise de legitimidade das agências policiais perante os cidadãos. O autor aborda diferentes aspectos da cultura policial, como profissionalização, disciplina, obediência às leis, entre outros, adentrando no universo da cultura policial, especialmente as representações sociais acerca da polícia como missão social, valores morais como coragem e machismo, e preconceitos relacionados às imagens de grupos sociais nos quais os policiais são recrutados. Robert Reiner oferece uma revisão da história, do funcionamento e da governância da polícia britânica, trazendo uma reflexão sobre temas atuais como o policiamento comunitário, os constrangimentos legais ao poder de polícia e o papel da sociedade civil no controle da rotina das atividades policiais.

Ficha técnica

R$ 66,00
ISBN 10: 8531408229
ISBN 13: 9788531408229
1ª edição, impressão de 2004

376 páginas
18 x 24 cm
Brochura
Coleção Polícia e Sociedade

Eventos

19 a
31/10
de 2020

Lombada

A Edusp participa da Lombada, a feira de livros da PUCPR, oferecendo uma seleção especial de títulos com 50% de desconto

Mais Eventos

Mais

Antropólogo cultural Néstor García Canclini assume cátedra na USP

Autor de Culturas Híbridas toma posse na Cátedra Olavo Setubal de Arte, Cultura e Ciência da USP

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador
Mais