Poesia de Agudeza em Portugal

Estudo Retórico da Poesia Lírica e Satírica Escrita em Portugal no Século XVII

  • de Maria do Socorro Fernandes de Carvalho
Sinopse

Este livro faz um apanhado das normas e teorias que embasam a poesia escrita em Portugal no decorrer do século XVII. O livro traz uma série de poemas – desde os chamados sérios, até os satíricos – de poetas como Violante do Céu, Jerônimo Baía, António Barbosa Bacelar, Tomás de Noronha e Francisco da Fonseca Soares, dentre outros menos conhecidos, estudados segundo os padrões poéticos que circulavam na época em que foram escritos. A autora procura reconhecer nessa poesia portuguesa a realização de procedimentos e técnicas praticados pelos mais importantes autores da poesia ibérica e, a partir da interpretação de artes poéticas e retóricas antigas, apresenta os principais conceitos que pautavam a escrita e a circulação da poesia em Portugal, cujos princípios se aplicam também ao Brasil da época.

Ficha técnica

R$ 44,00
ISBN 10: 8531410371
ISBN 13: 9788531410376
1ª edição, impressão de 2007

430 páginas
14 x 21 cm
Brochura
Coedição: Humanitas

Eventos

28/09
02/10
de 2020

Feira Virtual da Abeu: Comunicação Corporativa

A Edusp participa do evento oferecendo uma seleção especial de títulos com 50% de desconto

Mais Eventos

Mais

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador

É verdade que nevou em São Paulo em 1918?

No caderno de visitas da famosa garçonnière mantida pelo escritor Oswald de Andrade na Rua Líbero Badaró, apelidada de "covil da rua Líbero", há a referência de que nevou ...
Mais