Diálogo entre Filhos de Xangô

Correspondência 1947-1974

  • de Roger Bastide e Pierre Verger
  • org. Françoise Morin
  • trad. Regina Salgado Campos
Sinopse

“Foi Roger Bastide que me revelou a África no Brasil, ou mais exatamente, a influência da África na região Nordeste”. A frase mostra o início da relação entre Verger e Bastide, cuja correspondência de quase trinta anos, entre 1947 e 1974, é aqui reproduzida e analisada por Françoise Morin, pesquisadora da Fundação Roger Bastide. As centenas de cartas trocadas entre esses dois especialistas das religiões afro-americanas traçam a história de sua amizade e de sua colaboração de múltiplas facetas; dela, o essencial foi conservado, transcrito, anotado e agora publicado neste livro. A colaboração entre eles durou muitos anos e incluiu a escrita conjunta de sete textos ilustrados com fotos para O Cruzeiro e para revistas científicas. Sem dúvida, contribuíram para valorizar culturas negras com frequência desprezadas, e a publicação de sua correspondência mostra a implicação deles como homens que compartilham suas dúvidas, seus entusiasmos e suas convicções.

ver sumário

Ficha técnica

R$ 132,00
ISBN 10: 8531416191
ISBN 13: 9788531416194
1ª edição, impressão de 2017

720 páginas
15,5 x 25,5 cm
Brochura

Eventos

19/11
de 2020

Lançamento de “Ensaio sobre Música Brasileira”

Acontece na quinta-feira, 19/11/2020, o lançamento virtual de "Ensaio sobre Música Brasileira", de Mario de Andrade, em nova edição organizada por Flávia Camargo Toni.

Mais Eventos

Mais

Especialistas discutem educação nos países de língua portuguesa

Educação em países lusófonos é tema de seminário

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador
Mais