Diabo Coxo

São Paulo, 1864-1865

Capa de Diabo Coxo Obra Premiada
  • de Angelo Agostini
  • org. Luís Gama
Sinopse

Trata-se de uma edição fac-similar do semanário que circulou em São Paulo de 1864 a 1865, redigido por Luís Gama e ilustrado por Angelo Agostini. O jornal é o primeiro da cidade – ainda provinciana, distante da Corte e das notícias do mundo – a ser ilustrado e a apresentar caricaturas. Desde sua primeira edição obteve grande sucesso entre o público, como o próprio Agostini registrou numa caricatura. As charges de Agostini satirizavam impiedosamente os homens públicos e a sociedade, armas até então desconhecidas pelo público. Sob sua pena eram retratados os tipos humanos, de engraxates a barões, os acontecimentos de sua época, a violência policial, as atividades artísticas: riu e fez rir de tudo e de todos. O organizador desta edição comenta: “Compôs com tal precisão o dia a dia da cidade que nos legou, ao final, um retrato por inteiro do período – talvez o documentário iconográfico mais importante e completo do Segundo Reinado”.

Ficha técnica

R$ 80,00
ISBN 10: 8531408717
ISBN 13: 9788531408717
1ª edição, impressão de 2005

216 páginas
18,5 x 24,2 cm
Capa dura
Coleção Ad Litteram

Prêmio
Troféu HQ Mix
Associação dos Cartunistas do Brasil e Instituto Memorial de Artes Gráficas do Brasil
Publicação de Charges
Luiz Gama e Angelo Agostini

Eventos

19/11
de 2020

Lançamento de “Ensaio sobre Música Brasileira”

Acontece na quinta-feira, 19/11/2020, o lançamento virtual de "Ensaio sobre Música Brasileira", de Mario de Andrade, em nova edição organizada por Flávia Camargo Toni.

Mais Eventos

Mais

Especialistas discutem educação nos países de língua portuguesa

Educação em países lusófonos é tema de seminário

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador
Mais