Dançaremos até o Amanhecer

Uma Etnologia Movimentada na Amazônia

  • de Jean-Michel Beaudet
  • trad. Leonardo Pires Rosse
Sinopse

Na grande Amazônia e nas terras baixas da América do Sul, os repertórios antigos são dançados com os pés paralelos ao chão e o olhar voltado para a frente ou para baixo. Dança-se em grupo, e os dançarinos, em geral, seguram-se entre si, de modo a constituir formas que variam de uma cultura e de uma dança para outra. Entre muitos povos, os dançarinos desenvolvem percursos coreográficos complexos, geradores de sentido e de transformações cosmológicas. Esta obra dedica-se às danças dos wayãpi do Alto Oiapoque, na Guiana Francesa, propondo o primeiro estudo aprofundado de uma cultura coreográfica amazônica e esboçando algumas comparações em escala continental. Aborda essas formas estéticas contemporâneas da perspectiva dos próprios dançarinos, restituindo a riqueza de um encontro etnográfico de longa duração e o amadurecimento de um trabalho de escrita que se estende desde então.

ver sumário

Ficha técnica

R$ 64,00
ISBN 10: 8531416426
ISBN 13: 9788531416422
1ª edição, impressão de 2017

200 páginas
18 x 25,5 cm
Brochura

Eventos

09/03
de 2024

Lançamento do livro “Correspondência Mário de Andrade & Oswald de Andrade”

Participe do lançamento do livro "Correspondência Mário de Andrade & Oswald de Andrade"

Mais Eventos

Mais

A complexa relação entre texto e imagem nas ilustrações de Poty Lazzarotto

Símbolo da cultura curitibana, a jornada de Poty pelas artes visuais revela a riqueza contida no seu trabalho de ilustrador

Amizade entre Mário e Oswald de Andrade é explorada em novo volume da Coleção Correspondência

Correspondência Mário de Andrade & Oswald de Andrade mostra a importância da escrita epistolar não só para o modernismo como também para a preservação de nossa história

Do jornalismo ao ativismo político, antologia revela as múltiplas faces da obra de Patrícia Galvão, a Pagu

“Palavras em Rebeldia” mostra a importância de Pagu, que passou de escritora pouco conhecida a homenageada da FLIP, na história do modernismo e nos dias de hoje

Livro aponta a influência das óperas europeias na construção do romance brasileiro e na sociedade pós-colonial

“Ópera Flutuante: Teatro Lírico, Literatura e Sociedade no Rio de Janeiro do Segundo Reinado” retrata a presença do drama musicado na capital do Brasil no século XIX

Antropólogo usa história da arte para compreender origens e poderes de artefatos indígenas

Em “Ardis da Arte: Imagem, Agência e Ritual na Amazônia”, Carlos Fausto traça comparativo etnográfico entre regimes imagéticos e culturas de povos originários das ...
Mais