Sob os Tempos do Equinócio

Oito Mil Anos de História na Amazônia Central

  • de Eduardo Góes Neves
Sinopse

Nesta síntese de oito mil anos de história da Amazônia central, baseada em décadas de pesquisa arqueológica na região, Eduardo Góes Neves contraria o senso comum e revela a riqueza do processo de ocupação humana na região. O autor apresenta uma reconstituição da história da ocupação humana da Amazônia central no longo período transcorrido desde o início do Holoceno, cerca de 10 mil anos atrás, até os primeiros momentos da colonização europeia, no século XVI. Desdobra ainda a discussão para outros contextos da arqueologia das terras baixas da América do Sul, demonstrando que a história do Brasil anterior à chegada dos europeus é riquíssima, interessante e relevante para o entendimento do lugar que o Brasil ocupa hoje no planeta. É contribuição importante ao debate teórico e metodológico da arqueologia brasileira, escrito de forma acessível a todos os interessados na história dos povos indígenas das terras baixas e na Amazônia.

Confira entrevista com o autor.

ver sumário

Ficha técnica

R$ 70,00
ISBN 13: 9786557850909
1ª edição, impressão de 2022
224 páginas

14 x 21 cm
Brochura
Coedição: Ubu Editora Ltda

Eventos

24/02
de 2024

Lançamento de livros sobre o Museu Republicano “Convenção de Itu”

Descubra a história por trás da fundação do Museu Republicano de Itu e o seu percurso ao longo de 100 anos com o lançamento de dois livros da Edusp

Mais Eventos

Mais

Amizade entre Mário e Oswald de Andrade é explorada em novo volume da Coleção Correspondência

Correspondência Mário de Andrade & Oswald de Andrade mostra a importância da escrita epistolar não só para o modernismo como também para a preservação de nossa história

Do jornalismo ao ativismo político, antologia revela as múltiplas faces da obra de Patrícia Galvão, a Pagu

“Palavras em Rebeldia” mostra a importância de Pagu, que passou de escritora pouco conhecida a homenageada da FLIP, na história do modernismo e nos dias de hoje

Livro aponta a influência das óperas europeias na construção do romance brasileiro e na sociedade pós-colonial

“Ópera Flutuante: Teatro Lírico, Literatura e Sociedade no Rio de Janeiro do Segundo Reinado” retrata a presença do drama musicado na capital do Brasil no século XIX

Antropólogo usa história da arte para compreender origens e poderes de artefatos indígenas

Em “Ardis da Arte: Imagem, Agência e Ritual na Amazônia”, Carlos Fausto traça comparativo etnográfico entre regimes imagéticos e culturas de povos originários das ...
Mais