Do Alheio ao Próprio

A Poesia em Moçambique

  • de Manoel de Souza e Silva
Sinopse

“Sei que são meus senhores. É quanto basta / para saber-me escravo e infeliz.” Marcada pelo conflito e pela complexidade, à mercê de um colonialismo tardio, retrógrado e irredutível, a literatura moçambicana sofreu forte influência portuguesa, passando por processos singulares na condução de uma poesia autenticamente nacional. Manoel de Souza e Silva traça um perfil histórico da formação e consolidação da produção poética do país, apresentando diversos exemplos e reportando os termos em que se deram as principais discussões em torno da constituição de sua identidade. A finalidade essencial deste estudo, segundo o próprio autor, é aliciar leitores para um contato com Moçambique por meio de sua poesia.

Ficha técnica

R$ 20,00
ISBN 10: 8531401615
ISBN 13: 9788531401619
1ª edição, impressão de 1996

144 páginas
14 x 21 cm
Brochura
Coleção Campi
Coedição: Editora UFG

Eventos

16/09
de 2020

Lançamento de “Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP”

Acontece na quarta-feira, 16/9/2020, o lançamento e o debate virtual de "Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP", organizado por Walnice Nogueira Galvão.

Mais Eventos

Mais

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador

É verdade que nevou em São Paulo em 1918?

No caderno de visitas da famosa garçonnière mantida pelo escritor Oswald de Andrade na Rua Líbero Badaró, apelidada de "covil da rua Líbero", há a referência de que nevou ...
Mais