Dicionário da Escravidão Negra no Brasil

  • de Clóvis Moura
Sinopse

Resultado de extensa pesquisa elaborada pelo autor ao longo de trinta anos, esta é a primeira obra de referência sobre a escravidão colonial brasileira destinada ao grande público e à comunidade interessada no tema. O Dicionário da Escravidão Negra no Brasil é uma notável obra que dá ao leitor uma visão mais orgânica e crítica desse período da sociedade brasileira, cujas marcas se prolongam até os dias atuais. Ao longo de oitocentos verbetes, o autor sistematiza e complementa as informações existentes sobre o regime escravista, trazendo novos elementos que permitirão ao leitor formar uma opinião mais equilibrada sobre esse regime de exclusão que marcou quatro séculos da história brasileira. Clóvis Moura revela aspectos do Brasil escravocrata e também do Brasil escravizado, constituído de negros anônimos que lutam pela sua emancipação e contribuem decisivamente para a construção da nação, criando e preservando os elementos culturais que, séculos depois, viriam a constituir a cultura brasileira.

Ficha técnica

R$ 85,00
ISBN 10: 8531408121
ISBN 13: 9788531408120
1ª edição, impressão de 2013

440 páginas
17 x 24 cm
Brochura

Eventos

19/11
de 2020

Lançamento de “Ensaio sobre Música Brasileira”

Acontece na quinta-feira, 19/11/2020, o lançamento virtual de "Ensaio sobre Música Brasileira", de Mario de Andrade, em nova edição organizada por Flávia Camargo Toni.

Mais Eventos

Mais

Especialistas discutem educação nos países de língua portuguesa

Educação em países lusófonos é tema de seminário

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador
Mais