Arquiteturas Religiosas e a Construção da Esfera Pública

  • de Paula Montero e Carlos Procópio
Sinopse

Os projetos de implantação de megaedificações religiosas no espaço urbano contemporâneo importam a todos aqueles que vivenciam e circulam pelas cidades, já que intervêm no fluxo das pessoas e produzem centralidades urbanas em torno de marcadores religiosos. Este livro, resultado de meticulosa pesquisa empírica e histórica, se propõe a desvendar os conflitos, os interesses religiosos e políticos, as linguagens comunicacionais e as performances que dão forma a esses empreendimentos. São analisados cinco casos distintos dessas construções religiosas no Brasil, escolhidas em razão de sua dimensão ou importância na produção de centralidades urbanas - a catedral da Sé, o templo de Salomão, o santuário católico Mãe de Deus, a Mesquita Branca e a Catedral de Guadalupe - visando comparar os modos de organizar o espaço público e produzir audiências.

ver sumário

Ficha técnica

R$ 54,00
ISBN 13: 9786557851289
1ª edição, impressão de 2023
184 páginas

16 x 23 cm
Brochura

Eventos

24/02
de 2024

Lançamento de livros sobre o Museu Republicano “Convenção de Itu”

Descubra a história por trás da fundação do Museu Republicano de Itu e o seu percurso ao longo de 100 anos com o lançamento de dois livros da Edusp

Mais Eventos

Mais

Amizade entre Mário e Oswald de Andrade é explorada em novo volume da Coleção Correspondência

Correspondência Mário de Andrade & Oswald de Andrade mostra a importância da escrita epistolar não só para o modernismo como também para a preservação de nossa história

Do jornalismo ao ativismo político, antologia revela as múltiplas faces da obra de Patrícia Galvão, a Pagu

“Palavras em Rebeldia” mostra a importância de Pagu, que passou de escritora pouco conhecida a homenageada da FLIP, na história do modernismo e nos dias de hoje

Livro aponta a influência das óperas europeias na construção do romance brasileiro e na sociedade pós-colonial

“Ópera Flutuante: Teatro Lírico, Literatura e Sociedade no Rio de Janeiro do Segundo Reinado” retrata a presença do drama musicado na capital do Brasil no século XIX

Antropólogo usa história da arte para compreender origens e poderes de artefatos indígenas

Em “Ardis da Arte: Imagem, Agência e Ritual na Amazônia”, Carlos Fausto traça comparativo etnográfico entre regimes imagéticos e culturas de povos originários das ...
Mais