A. P. Tchékhov

Cartas para uma Poética

Capa de A. P. Tchékhov: Cartas para uma Poética Obra Premiada
  • de Sophia Angelides
Sinopse

Incompreendido por muitos de seus contemporâneos, Antón Tchékhov revolucionou a estética do conto e da dramaturgia. Escritas entre 1880 e 1890, as cartas reunidas neste volume trazem comentários do escritor sobre suas narrativas e peças, conselhos a autores iniciantes, opiniões sobre a intelectualidade da época e, sobretudo, revelam seu processo de criação. Além de selecionar e preparar notas às cartas, Sophia Angelides apresenta aqui um estudo de fôlego sobre os princípios da poética do autor, enunciados na sua correspondência, e sobre a recepção da crítica de seu tempo, sem deixar de nos dar uma visão global de Tchékhov como homem e escritor.

Ficha técnica

R$ 32,00
ISBN 10: 8531402514
ISBN 13: 9788531402517
1ª edição, impressão de 1995

248 páginas
14 x 21 cm
Brochura

Prêmio
38º Prêmio Jabuti
Câmara Brasileira do Livro
Tradução - 1º Lugar
Tradutor: Sophia Angelides

Eventos

16/09
de 2020

Lançamento de “Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP”

Acontece na quarta-feira, 16/9/2020, o lançamento e o debate virtual de "Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP", organizado por Walnice Nogueira Galvão.

Mais Eventos

Mais

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador

É verdade que nevou em São Paulo em 1918?

No caderno de visitas da famosa garçonnière mantida pelo escritor Oswald de Andrade na Rua Líbero Badaró, apelidada de "covil da rua Líbero", há a referência de que nevou ...
Mais