O Plano e o Pânico

Os Movimentos Sociais na Década da Abolição

  • de Maria Helena P. T. Machado
Sinopse

Desvendar os aspectos mais nebulosos que encobriram a história dos movimentos, ideias e projetos a respeito da abolição, à revelia mesmo da censura oficial e informal, é um dos desafios a que se propõe este livro. O resultado é um estudo original sobre as vozes dissonantes dos que viveram a abolição, compondo um trabalho sobre as forças e tensões sociais que se manifestaram na década de 1880. Maria Helena rompe com a imagem romântica reproduzida pela historiografia abolicionista, substituindo-a pela análise dos diferentes atores e movimentos que se articularam na década anterior à abolição, reunindo trabalhadores escravos, livres pobres e imigrantes, e lança luz sobre o papel social do negro liberto e dos desclassificados sociais em geral. Discute também a anatomia do abolicionismo urbano e as formas como esses ideais se espalharam nas fazendas e senzalas.


Livro digital disponível

ver sumário

Ficha técnica

R$ 46,00
ISBN 10: 8531412730
ISBN 13: 9788531412738
2ª edição, impressão de 2023

248 páginas
16 x 23 cm
Brochura

Eventos

24/02
de 2024

Lançamento de livros sobre o Museu Republicano “Convenção de Itu”

Descubra a história por trás da fundação do Museu Republicano de Itu e o seu percurso ao longo de 100 anos com o lançamento de dois livros da Edusp

Mais Eventos

Mais

Amizade entre Mário e Oswald de Andrade é explorada em novo volume da Coleção Correspondência

Correspondência Mário de Andrade & Oswald de Andrade mostra a importância da escrita epistolar não só para o modernismo como também para a preservação de nossa história

Do jornalismo ao ativismo político, antologia revela as múltiplas faces da obra de Patrícia Galvão, a Pagu

“Palavras em Rebeldia” mostra a importância de Pagu, que passou de escritora pouco conhecida a homenageada da FLIP, na história do modernismo e nos dias de hoje

Livro aponta a influência das óperas europeias na construção do romance brasileiro e na sociedade pós-colonial

“Ópera Flutuante: Teatro Lírico, Literatura e Sociedade no Rio de Janeiro do Segundo Reinado” retrata a presença do drama musicado na capital do Brasil no século XIX

Antropólogo usa história da arte para compreender origens e poderes de artefatos indígenas

Em “Ardis da Arte: Imagem, Agência e Ritual na Amazônia”, Carlos Fausto traça comparativo etnográfico entre regimes imagéticos e culturas de povos originários das ...
Mais