A Microssonda Eletrônica na Geologia

  • de Celso de Barros Gomes
Sinopse

Desde a descoberta do microscópio de polarização, nenhuma outra técnica analítica destinada à caracterização de substâncias sólidas artificiais ou naturais, notadamente os minerais, provocou tamanho impacto no meio científico-geológico quanto a microssonda eletrônica. É um instrumento de pesquisa capaz de identificar e quantificar, de forma muito rápida, elementos químicos ocupando volumes muito pequenos. Graças à sua versatilidade, atualmente é empregada em diversos campos do conhecimento, como geologia, metalurgia, ciência dos materiais, odontologia etc. Este livro preenche uma lacuna na literatura nacional nessas áreas do conhecimento, carentes de textos didáticos voltados à utilização desse equipamento. Nos doze capítulos da obra, o autor aborda todos os tópicos relacionados ao emprego da microssonda eletrônica, os quais são apresentados ao lado de um conjunto de ilustrações e de referências bibliográficas que permitem complementar as informações oferecidas no texto.

ver sumário

Ficha técnica

R$ 66,00
ISBN 10: 8531415071
ISBN 13: 9788531415074
1ª edição, impressão de 2015

248 páginas
19,5 x 27 cm
Brochura
Coleção Acadêmica

Eventos

16/09
de 2020

Lançamento de “Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP”

Acontece na quarta-feira, 16/9/2020, o lançamento e o debate virtual de "Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP", organizado por Walnice Nogueira Galvão.

Mais Eventos

Mais

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador

É verdade que nevou em São Paulo em 1918?

No caderno de visitas da famosa garçonnière mantida pelo escritor Oswald de Andrade na Rua Líbero Badaró, apelidada de "covil da rua Líbero", há a referência de que nevou ...
Mais