Crime e Cotidiano

A Criminalidade em São Paulo (1880-1924)

  • de Boris Fausto
Sinopse

Ao fazer uma análise da criminalidade em São Paulo entre 1880 e 1920, Boris Fausto aborda uma das facetas menos conhecidas desse período. Mostra como a repressão à marginalidade social e à delinqüência surge como uma forma eficaz de controle social, ao mesmo tempo em que investiga as formas de transgressão das normas penais, concentrando-se em homicídios, furtos e roubos, e crimes de natureza sexual. A abordagem penetra no terreno da microistória, no que ela tem de mais significativo, recuperando relações sociais de tensão e conflito, no interior das casas, nas ruas, nos botequins e bordéis. No momento em que o tema da criminalidade e segurança ganha uma dimensão dramática na sociedade brasileira, torna-se importante conhecer as raízes desse quadro e seu agravamento ao longo do tempo.

ver sumário

Ficha técnica

R$ 60,00
ISBN 10: 8531406064
ISBN 13: 9788531406065
2ª edição, impressão de 2014

328 páginas
16 x 23 cm
Brochura

Eventos

09/03
de 2024

Lançamento do livro “Correspondência Mário de Andrade & Oswald de Andrade”

Participe do lançamento do livro "Correspondência Mário de Andrade & Oswald de Andrade"

Mais Eventos

Mais

A complexa relação entre texto e imagem nas ilustrações de Poty Lazzarotto

Símbolo da cultura curitibana, a jornada de Poty pelas artes visuais revela a riqueza contida no seu trabalho de ilustrador

Amizade entre Mário e Oswald de Andrade é explorada em novo volume da Coleção Correspondência

Correspondência Mário de Andrade & Oswald de Andrade mostra a importância da escrita epistolar não só para o modernismo como também para a preservação de nossa história

Do jornalismo ao ativismo político, antologia revela as múltiplas faces da obra de Patrícia Galvão, a Pagu

“Palavras em Rebeldia” mostra a importância de Pagu, que passou de escritora pouco conhecida a homenageada da FLIP, na história do modernismo e nos dias de hoje

Livro aponta a influência das óperas europeias na construção do romance brasileiro e na sociedade pós-colonial

“Ópera Flutuante: Teatro Lírico, Literatura e Sociedade no Rio de Janeiro do Segundo Reinado” retrata a presença do drama musicado na capital do Brasil no século XIX

Antropólogo usa história da arte para compreender origens e poderes de artefatos indígenas

Em “Ardis da Arte: Imagem, Agência e Ritual na Amazônia”, Carlos Fausto traça comparativo etnográfico entre regimes imagéticos e culturas de povos originários das ...
Mais