O Caminho das Águas

Estereótipos de Personagens Negras por Escritoras Brancas

  • de Edith Piza
Sinopse

Este estudo de Edith Piza procura lançar luz sobre questões como o feminino e a criação artística. Nele, a autora reflete sobre o significado das personagens negras criadas pelas escritoras Odette de Barros Mott, Lucília Junqueira de Almeida Prado, Giselda Laporta Nicolelis e Mirna Pinsky. A personagem feminina negra, construída a partir do estereótipo da mulata sensual, é vista pelo prisma da construção da identidade profissional das quatro escritoras que escrevem para jovens. A autora analisa o processo de criação e a trajetória profissional delas, retirando o estereótipo de sua imobilidade, acompanhando suas transformações em metáforas e símbolos do prazer de criar, da conquista de novos modos de ser e pensar o mundo que as mulheres escritoras experimentam, em momentos específicos de suas vidas profissionais.

Ficha técnica

R$ 20,00
ISBN 10: 8531404363
ISBN 13: 9788531404368
1ª edição, impressão de 1998

216 páginas
14 x 21 cm
Brochura
Coedição: Com-Arte

Eventos

16/09
de 2020

Lançamento de “Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP”

Acontece na quarta-feira, 16/9/2020, o lançamento e o debate virtual de "Sobre os Primórdios da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP", organizado por Walnice Nogueira Galvão.

Mais Eventos

Mais

Livro de entrevistas lembra os primeiros anos da USP

Obra traz depoimentos de Paul Bastide, Antonio Candido, Florestan Fernandes e Mário Schenberg, entre outros

Edusp tem novo diretor-presidente

Carlos Roberto Ferreira Brandão, ex-diretor do MAC (2016-2020), é o novo diretor-presidente da Edusp a partir de setembro de 2020.

Trabalhadores humanitários e o legado de Sérgio Vieira de Mello

Trajetória de Sérgio ilumina possibilidades da ação humanitária e o terreno como lugar dos direitos humanos

“Não há evolução sem ruptura”

Entrevista com Alex Flemming, pintor, escultor e gravador

É verdade que nevou em São Paulo em 1918?

No caderno de visitas da famosa garçonnière mantida pelo escritor Oswald de Andrade na Rua Líbero Badaró, apelidada de "covil da rua Líbero", há a referência de que nevou ...
Mais