Busca
   Início  |  Edusp  |  Edusp – English  |  Edusp – Español  |  Livrarias  |  Catálogo  |  Eventos  |  Compras 
 
  Menu

  Como publicar
  Convites
  Caderno de leitura
  Prêmios
  Lançamentos
  Livros abertos
  Editais
  Doações
  RH/Concurso
  Mapa do site
  Fale conosco

  Logon
 
Email:
Senha:
 
HISTÓRIA E PRÉ-HISTÓRIA DE UMA EDITORA

DEPOIMENTOS
SUELY VILELA
CELSO LAFER
DAVI ARRIGUCCI
JOSÉ GOLDEMBERG
JOSÉ MINDLIN
MARIA ARMINDA
SERGIO MICELI
IVAN TEIXEIRA

BIBLIOTECA SONORA
ouça entrevistas na rádio USP com autores da EDUSP
Mil títulos em vinte anos

A comemoração dos 20 anos de atividade da Edusp como editora com estrutura própria – data que coincide com a publicação de seu milésimo título dentro do modelo inaugurado em 1988 – é uma oportunidade ímpar para refletir sobre as relações entre o livro e a universidade. A atividade editorial universitária se desenvolve no contexto dos propósitos acadêmicos e nas funções que historicamente lhe confere a sociedade à qual serve, mesmo que, em princípio, estes sejam distintos dos que animam a indústria editorial em geral.

A universidade não é uma empresa editorial, mas uma instituição que deve ter como uma de suas atividades a edição de livros. Sua editora não deve se dedicar à busca de autores, mas a prover e estimular o trabalho de seus professores e pesquisadores. O livro publicado pela editora da universidade deve ser a imagem da instituição que representa, deve ser o labor de seus professores e pesquisadores; portanto, seu crédito ou seu descrédito devem ser compartilhados. O livro universitário contribui ao conhecimento e à cultura sem a preocupação de se ajustar às condições do mercado. É um patrimônio com valor próprio e que não deve ser determinado por critérios que dependam de seu valor de troca. É obra coletiva por natureza e imagem da realização dos propósitos universitários.
Assim entendidos, edição, divulgação e comercialização – sem negar a importância destes fatores – não deveriam ser o principal problema do livro universitário. Muito mais importante é colocá-lo ao alcance de seus destinatários, destacando as qualidades de seu conteúdo através de mecanismos e meios adequados para isso.

Este problema é mais complexo do que possa parecer. A natureza especializada e a diversidade dos temas condicionam uma demanda muito localizada, dificultam a entrada de nossos títulos nas livrarias comerciais. Desse modo, na estrutura da editora universitária, a divulgação e a comercialização requerem planejamento e mecanismos adequados à natureza e às características de suas publicações, bem como políticas institucionais adequadas a seus propósitos culturais e científicos.

É claro que, diante das dificuldades, não é solução a universidade se dedicar à edição de livros comerciais de interesse geral, com o objetivo de obter maior aceitação comercial, pois isso atentaria contra um de seus mais nobres propósitos. Não é ajustando-se às condições de mercado que a universidade tem que enfrentar esses problemas. Ao contrário, ela deve procurar impor ao mercado sua própria especificidade – um delicado jogo institucional em que a editora precisa do prestígio e da influência da universidade para crescer, mas também pode oferecer à universidade, como contrapartida, um reconhecimento público que vai muito além do âmbito acadêmico.
 
Copyright © 2004 - 2017 EDUSP - Editora da Universidade de São Paulo - Créditos